Wednesday, September 24, 2008

ghost sleeper



Sobre a antiga cómoda de pau-preto de pés carcomidos, pousa uma virgem Maria sem mãos. Tem no olhar o peso de todo o sofrimento consentido neste mundo. Aos pés da cama dorme um cão que já foi novo. O homem levanta-se e enfrenta o espelho, procurando o reflexo do olhar. No canto inferior do espelho vêem-se as costas da virgem. O homem interroga-se por este facto. Ao canto um par de velhos sapatos castanhos de pele jaz, à espera de uma última saída. Talvez a última. Por baixo da base de massa enfeitada de pombas mal pintadas que sustentam a virgem, emparelham-se duas cartas. Uma conta a pagar e a outra com um remetente já esquecido há muitos anos. Noutra vida. De ar húmido pesado e águas cálidas. De gins à sombra de palmeiras curvadas sobre a marginal. De o olhar dengoso de mulatas atrevidas. De fatos de linho de Goa com cheiro a cânfora. De músicas americanas ao final da tarde com o sol a pôr-se a oeste. Noutra vida.

i am you

1 comment:

Lisa said...

There's no place like home.
Beijo.